Rua Gentil Portugal do Brasil, 300 - Sala 10 - Belo Horizonte - MG

Sobre projeto de SPDA

Sobre projeto de SPDA

O Brasil é o país recordista mundial em descargas atmosféricas. Caem em média 50 milhões de raios no país.  Morrem cerca de 111 pessoas por ano vitimas das descargas atmosféricas, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Mas além das perdas pessoais, existem as perdas materiais. Cada raio custa mais de R$25,00 em equipamentos queimados que precisam ser substituídos. Por causa disso o Sistema de Proteção contra Descarga Atmosférica (SPDA) é tão importante.

A instalação dos Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas é uma exigência do Corpo de Bombeiros, regulamentada pela ABNT segundo a Norma NBR 5419/2015. O ponto de partida para a instalação do SPDA é o projeto.

O Projeto de SPDA deve ser feito de acordo com cada edificação. Os métodos mais comuns na elaboração de Projetos de SPDA são: Franklin, Eletrogeométrico e Gaiola de Faraday. Em todos os métodos, os Projetos de SPDA devem ter os três subsistemas do SPDA:

  • Sistema de captação: através de captores do tipo terminal aéreo, Franklin ou naturalmente nas estruturas metálicas;
  • Sistema de descida: através de várias opções de cordoalhas, cabos ou descidas naturais nas estruturas metálicas de uma edificação;
  • Sistema de aterramento através de caixas de inspeção, hastes de aterramento, barramento de equipotencialização, cordoalhas ou nas ferragens da estrutura.

Método Franklin

No Projeto de SPDA, o método de proteção por para-raios tipo Franklin, consiste na utilização de um ou mais mastros com captores, de modo que todo volume da edificação a ser protegido fique dentro de uma zona espacial do sistema. O ângulo é tabelado conforme o nível de proteção e altura do plano de referência.

Método Eletrogeométrico

No Projeto de SPDA, o método Eletrogeométrico ou da Esfera Rolante, incide em fazer rolar uma esfera fictícia por toda a edificação. Esta esfera terá um raio definido em função do nível de proteção. Onde a esfera tocar as edificações, serão os locais mais expostos as descargas atmosféricas. De uma forma sucinta, os locais onde a esfera toca, o raio também pode tocar, devendo assim existir uma proteção. Seja por captores Franklin ou condutores metálicos.

Método Gaiola de Faraday

No Projeto de SPDA, o método de Gaiola de Farady, consiste em instalar um sistema de captores formado por condutores horizontais interligados em forma de malha. Ao longo dessa malha são instalados minicaptores para que haja uma absorção do impacto das descargas atmosféricas. A malha de captação deverá ser conectada aos cabos de descidas e depois ao sistema de aterramento. É baseado na teoria de Faraday, segundo a qual, o campo no interior de uma gaiola é nulo, mesmo quando passa por seus condutores uma corrente de valor elevado. Para isto é necessário que a corrente se distribua uniformemente por toda a superfície. O espaçamento na malha é definido pelo seu nível de proteção.

Captão Natural e SPDA Estrutural

No Projeto de SPDA, a Captação Natural e SPDA Estrutural não são considerados métodos. Mas podem estar presente em um subsistema ou em todo o sistema de um único projeto. A Captação Natural ocorre quando estruturas metálicas existentes na edificação (exemplo: telhas metálicas) fazem o papel de captor da descarga atmosférica. Além da captação, as decidas também podem ser feitas de forma natural (exemplo: pilares metálicos).

Já no SPDA Estrutural são utilizadas as ferragens da estrutura da edificação como meio de descida e aterramento do projeto. Porem, para que o sistema seja confiável, é imprescindível garantir a continuidade elétrica de pilares, vigas e lajes. Como a amarração intencional destas armaduras não é o procedimento padrão nas edificações de concreto armado, o método mais seguro é a introdução de barras específicas para esta finalidade, as chamadas REBARS. Na maioria dos casos, é também o método mais econômico, se comparado aos sistemas externos ,desde que instalados a partir das fundações. Além do ganho estético.

Procedimentos para um Projeto de SPDA

  • Avaliação de risco da edificação;
  • Definição da área de exposição;
  • Definição do método de proteção;
  • Elaboração do memorial de cálculo;
  • Elaboração do projeto com o detalhamento completo do SPDA
  • Fazer a equipotencialização de toda a edificação;

Vantagens de se ter um Projeto de SPDA

  • Projetos realizados conformes às normas vigentes;
  • Instalação do sistema evitando erros;
  • Facilidade em eventuais e posteriores manutenções;
  • Atender as seguradoras ou Corpo de Bombeiros;
  • Minimização de riscos de incêndios, choques elétricos e queima de aparelhos e etc.

Mantenha-se atualizado

Assine nossa newsletter

Não enviamos SPAM

Gostou? compartilhe!

Whatsapp Elaborar